Hipotireoidismo: Desvendando os Mitos e Esclarecendo as Dúvidas

Hipotireoidismo: Desvendando os Mitos e Esclarecendo as Dúvidas

Hipotireoidismo

Olá, sou a Dra. Juliana Lara, endocrinologista e nutróloga com atuação em Indaiatuba. Se você está aqui, provavelmente está buscando informações a respeito do hipotireoidismo, procurando entender como essa condição pode afetar sua vida e quais são as opções de tratamento disponíveis. 

Para começarmos, é importante esclarecer: O que é o hipotireoidismo? 

Em termos simples, o hipotireoidismo é uma condição caracterizada pela produção insuficiente de hormônios tiroidianos no nosso organismo. Esses hormônios são essenciais para controlar o metabolismo – a maneira como o nosso corpo utiliza a energia. Quando a tireóide não produz hormônios suficientes, várias funções do corpo podem ficar mais lentas. 

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, o hipotireoidismo afeta cerca de 10% da população mundial, sendo mais comum em mulheres e idosos. Portanto, você não está sozinho nessa jornada.

Vou compartilhar neste artigo, de forma simples e direta, informações importantes sobre o hipotireoidismo. Com base em minha experiência clínica e em evidências científicas, eu quero ajudá-lo a compreender melhor essa condição, suas possíveis manifestações e os recursos disponíveis para o controle. Veremos assuntos como: 

  • Como o hipotireoidismo se manifesta;
  • Os diferentes tipos de hipotireoidismo;
  • Os sintomas do hipotireoidismo;
  • Estratégias para controlar a doença e melhorar a qualidade de vida.

Então, se você está pronto, vamos começar nossa jornada informativa pelo mundo do hipotireoidismo!

Juliana Lara – Doctoralia.com.br

O que é o hipotireoidismo?

Hipotireoidismo Tireoide Endocrinologista em Alphaville

Como médica, deparo-me regularmente com os mitos e verdades sobre várias condições de saúde. Uma delas, o hipotireoidismo, é uma condição que requer compreensão. Vamos começar esclarecendo: O que é, afinal, o hipotireoidismo? 

O hipotireoidismo é uma condição que afeta a tireoide – uma glândula pequena, porém poderosa, que se situa na frente do pescoço. Ela é responsável pela produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), que desempenham funções cruciais no organismo, como regular nosso metabolismo e energia. 

 Quando a tireoide não produz esses hormônios na quantidade adequada, o corpo entra em um estado de hipotireoidismo. Em outras palavras, o hipotireoidismo é o subfuncionamento da tireóide. 

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, “estima-se que cerca de 300 milhões de pessoas no mundo possam estar com a doença, e que apenas metade delas sabe que está doente”. Dessa forma, entender o que é o hipotireoidismo e como ele afeta o corpo é o primeiro passo para combater essa condição e melhorar a qualidade de vida de muitos pacientes.

Como o hipotireoidismo se manifesta

Hipotireoidismo Sintomas e Fadiga

O hipotireoidismo se manifesta de diversas maneiras, dependendo das alterações individuais de cada pessoa no hormônio tireoidiano. Após um período de funcionamento inadequado da tireoide, o organismo começa a responder à falta dele, e é aí que os sintomas começam a aparecer. 

Podemos compará-lo a um motor de carro. Imagine que o seu carro precisa de combustível para funcionar. Se você não tem combustível suficiente (como é o caso no hipotireoidismo, onde você tem baixos níveis de hormônio tireoidiano), o motor funciona mais lentamente. O que é excepcional sobre o corpo humano, no entanto, é que ele tentará compensar a falta de hormônio tireoidiano aumentando a produção do hormônio TSH (hormônio estimulante da tiróide), tentando estimular a glândula tireoide a produzir mais hormônio tireoidiano. 

Mas o que isso significa para você? Bem, esta resposta compensatória do corpo pode levar a vários sintomas, que irei abordar em detalhes mais adiante no artigo. Mas de maneira geral, algumas pessoas podem não sentir nenhum sintoma inicial, enquanto outras podem perceber mudanças quase imediatas, como fadiga, constipação, sensibilidade ao frio e ganho de peso. É importante notar que a severidade e o tipo de sintomas variam enormemente de pessoa para pessoa. 

É também por isso que é tão importante receber um diagnóstico precoce, pois os sintomas do hipotireoidismo são frequentemente vagos e podem ser facilmente confundidos com outras condições ou até mesmo com o estresse ou o envelhecimento normal. Portanto, é fundamental entender os diferentes tipos de hipotireoidismo e como eles se manifestam, para que você possa receber o tratamento adequado. 

Em minhas consultas, sempre reforço a importância de estar ciente de qualquer alteração em seu corpo. Lembre-se de que eu, como médica, estou aqui para ajudá-lo no caminho para a saúde e o bem-estar. Então, se o hipotireoidismo está afetando a sua vida, você não tem que lidar com isso sozinho.

Os diferentes tipos de hipotireoidismo

O hipotireoidismo é resultante de uma falha na glândula tireoide, levando à produção inadequada de hormônios. Mas nem todos os hipotireoidismos são iguais, e eu gostaria de esclarecer alguns dos diferentes tipos: 

  • Hipotireoidismo Primário: Esse é o tipo mais comum de hipotireoidismo e ocorre quando a própria glândula tireoide não consegue produzir hormônios suficientes. As causas mais comuns são a doença de Hashimoto, um distúrbio auto-imune, ou a remoção cirúrgica da tireoide.
  • Hipotireoidismo Secundário: Neste caso menos comum, a glândula pituitária do cérebro não consegue produzir TSH suficiente (hormônio estimulante da tireoide), que é necessário para instruir a tireoide a produzir hormônios. Portanto, mesmo que a tireoide esteja perfeitamente normal, ela não consegue realizar sua função devido à falta de estímulo adequado.
  • Hipotireoidismo Congênito: Infelizmente, algumas crianças nascem com uma glândula tireóide que não funciona corretamente, o que é conhecido como hipotireoidismo congênito. Quando detectado logo após o nascimento, o tratamento precoce pode prevenir problemas de desenvolvimento.
  • Hipotireoidismo Subclínico: Este é um estágio inicial do hipotireoidismo. Os níveis de TSH estão elevados, mas os níveis de hormônio da tireoide no sangue ainda são normais. Isso pode evoluir para hipotireoidismo completo se não for tratado.

Cada tipo de hipotireoidismo tem suas próprias causas e implicações. Independentemente do tipo, um diagnóstico correto é um passo crucial para garantir que você obtenha o tratamento adequado e possa viver uma vida plena e saudável.

Os sintomas do hipotireoidismo

Hipotireoidismo Ganho de Peso

Ao lidar com qualquer condição de saúde, o conhecimento é a primeira linha de defesa. Isso inclui reconhecer sintomas precoces que possam sinalizar algo errado. No caso do hipotireoidismo, eles podem parecer sutis, muitas vezes confundidos com o estresse cotidiano ou o envelhecimento natural. Mas, isto não o torna menos importante. Na verdade, ignorar sintomas poderia levar a complicações sérias. Então, como saber se você está lidando com hipotireoidismo? Aqui estão os sintomas mais comuns: 

  • Fadiga e cansaço excessivos: Você se sente sempre cansado, mesmo depois de uma boa noite de sono? Este é um dos sintomas mais comuns de hipotireoidismo.
  • Ganho de peso inexplicado: Se você tem ganhado peso, mesmo mantendo a mesma alimentação e rotina de exercícios, isto pode ser um sinal de hipotireoidismo.
  • Intolerância ao frio: Sentir frio quando todos ao seu redor estão confortáveis pode ser um sinal de hipotireoidismo.
  • Depressão e alterações de humor: Mudanças emocionais e depressão também são comuns em pessoas com hipotireoidismo.
  • Ressecamento da pele e queda de cabelo: Pele severamente seca e cabelos e unhas quebradiços também são um possível sinal.

Esses sintomas podem variar de pessoa para pessoa, dependendo do nível de hormônio tireoidiano no corpo. Em alguns casos, os sintomas podem ser muito vagos, sendo facilmente confundidos com outras condições. É por isso que é importante conversar com o seu médico se você notar essas mudanças em seu corpo. Lembre-se: o diagnóstico precoce pode fazer toda a diferença no tratamento do hipotireoidismo.

Como o hipotireoidismo pode afetar sua vida

Você pode não perceber, mas o hipotireoidismo pode afetar profundamente o seu dia-a-dia se não for administrado e tratado corretamente. Meus pacientes muitas vezes chegam a minha sala sem entender completamente o alcance do seu diagnóstico – mas é para isso que estamos aqui. 

Nas situações onde o hipotireoidismo não é manageado corretamente, pode ocorrer várias picuinhas que, juntas, podem afetar sua qualidade de vida. Para começar, quando nosso corpo não tem hormônio tireoidiano suficiente, nosso metabolismo diminui. Isso pode resultar em uma sensação constante de cansaço e uma tendência a ganhar peso. 

  • Alterações de humor e depressão: Distúrbios de humor e depressão são comumente associados ao hipotireoidismo. Pacientes podem se sentir ansiosos, tristes e ter dificuldade em se concentrar. Isso ocorre porque os hormônios tireoidianos têm um impacto significativo em nosso cérebro e em nossas emoções.
  • Variações de peso: Como mencionei anteriormente, o hipotireoidismo pode desacelerar o seu metabolismo, o que, por sua vez, pode levar ao ganho de peso. Mas não se preocupe, com um gerenciamento adequado, isso pode ser controlado.
  • Fraqueza e fadiga: Um dos sintomas mais comuns do hipotireoidismo é a sensação de fadiga e fraqueza. Você pode se sentir constantemente cansado, mesmo depois de uma boa noite de sono.

A notícia boa é que, com um bom tratamento, essas questões podem ser  amenizadas ou até mesmo eliminadas completamente. 

Portanto, é vital não apenas se concentrar em tratar a condição, mas também prestar atenção em como ela está afetando sua vida cotidiana. Eu acredito firmemente que cada paciente merece um tratamento individualizado que não apenas gerencia a condição, mas também melhora sua qualidade de vida. Como médica, estou aqui para te ajudar a fazer justamente isso.

A importância do diagnóstico precoce

Muitas vezes, nos perguntamos: por quê diagnosticar o hipotireoidismo cedo é tão crucial? A resposta simples é que o hipotireoidismo descontrolado pode levar a uma série de complicações de saúde a longo prazo, incluindo doenças cardíacas, danos nos nervos e infertilidade. Além disso, esse transtorno pode afetar significativamente a qualidade de vida dos pacientes, causando fadiga, ganho de peso e depressão. 

De minha experiência clínica, posso afirmar que é muito mais fácil gerenciar o hipotireoidismo quando é detectado e tratado precocemente. Um diagnóstico precoce permite que iniciemos o tratamento adequado antes que os sintomas se agravem, auxiliando na prevenção de riscos associados. 

Quando diagnosticado e tratado precocemente: 

  • O paciente pode evitar a progressão dos sintomas que diminuem a qualidade de vida;
  • Pode-se prevenir o desenvolvimento de complicações graves de saúde;
  • Pode-se controlar o peso do paciente, impedindo o ganho excessivo;- Pode-se reduzir o risco de doenças cardíacas, uma preocupação particular para os indivíduos mais velhos com hipotireoidismo;
  • Pode-se melhorar a função cognitiva, que pode ser afetada pelo hipotireoidismo;
  • Aumenta as chances de gestações saudáveis nas mulheres.

O hipotireoidismo é uma doença insidiosa que pode progredir lentamente ao longo dos anos. Muitas pessoas nem sequer percebem que têm a doença até que ela tenha avançado significativamente. Por isso, ressalto a importância de exames regulares de tireoide, especialmente se você tiver familiares com distúrbios da tireoide, estiver acima dos 60 anos ou for mulher. 

É importante lembrar, no entanto, que o diagnóstico precoce é apenas metade da batalha. Assim que o hipotireoidismo for detectado, é fundamental começar o tratamento prescrito e segui-lo com consistência. Te garanto: o tratamento pode transformar sua vida para melhor e garantir uma vida saudável.

A relação entre alimentação e hipotireoidismo

Existe uma forte relação entre a alimentação e o hipotireoidismo. Uma alimentação balanceada pode auxiliar no alívio dos sintomas dessa condição e até mesmo ajudar a controlar a sua progressão. Mas é fundamental salientar que a comida, por si só, não é uma cura. No entanto, em associação com o tratamento médico adequado, pode ser uma poderosa ferramenta para gerenciar o hipotireoidismo. 

Alguns nutrientes são extremamente importantes para o funcionamento adequado da tireoide. Quero nomear alguns: 

  • Iodo: A tireoide utiliza o iodo para produzir os hormônios da tireoide. Fontes de iodo incluem peixes de água salgada, produtos lácteos e sal iodado.
  • Selênio: Este mineral ajuda a converter o hormônio da tireoide na sua forma ativa. Boas fontes de selênio são castanha do pará, frango, ovos e alho.
  • Zinco: O zinco participa na síntese dos hormônios da tireoide. Carnes, frutos do mar, aves e legumes são repletos deste mineral.

Embora esses nutrientes sejam essenciais, é importante não exagerar. O consumo excessivo pode, paradoxalmente, perturbar o equilíbrio delicado da tireoide. Lembro de um paciente que, ansioso para melhorar sua condição, começou a consumir altas quantidades de iodo. Infelizmente, isso resultou em uma piora dos seus sintomas, demonstrando que a moderação é fundamental. 

Além de focar na ingestão desses nutrientes essenciais, existem alguns alimentos que você deve evitar. Alguns vegetais crucíferos como a couve, o repolho e a couve-flor, podem interferir na produção dos hormônios da tireoide se consumidos em grandes quantidades. O mesmo acontece com alimentos processados e ricos em glúten. 

Em minha prática, sempre aconselho meus pacientes a focarem na obtenção de nutrientes através de uma alimentação variada e equilibrada, ao invés de recorrerem a suplementos alimentares. Nada substitui a complexidade e a riqueza de nutrientes encontrados nos alimentos naturais. E lembre-se: todas as mudanças na sua alimentação devem ser discutidas com o seu médico.

Histórias de sucesso no tratamento do hipotireoidismo

Paciente Feliz com o Tratamento da Dra. Juliana Lara Endocrinologista e Nutróloga em Alphaville

Nos meus anos de prática como endocrinologista em Indaiatuba, tive a oportunidade de acompanhar muitas histórias de sucesso no tratamento do hipotireoidismo. Cada história confirma a eficácia do tratamento adequado, adaptado à realidade e às necessidades de cada indivíduo. 

Me lembro particularmente de uma paciente. Maria era uma mãe de dois filhos, com uma agenda lotada entre trabalho, casa e escola. Ela veio até mim queixando-se de fadiga constante, sensação de frio e ganho gradual de peso. Após uma série de exames, diagnosticamos hipotireoidismo. Começamos com a medicação apropriada e adotamos uma abordagem integrada, levando em conta sua alimentação e nível de atividade física. 

No decorrer de poucos meses, Maria começou a sentir uma grande melhora. Ela redescobriu a energia que tinha esquecido e viu seu peso voltar ao normal. Seguindo com o tratamento, ela melhorou significativamente sua qualidade de vida, mostrando o quão eficaz pode ser um diagnóstico preciso e um tratamento cuidadosamente adaptado. 

Há, também, o caso de Carlos, um executivo bastante estressado com seu ritmo de vida. Ele apresentava sintomas clássicos de hipotireoidismo, como fadiga, sensação de frio e dificuldades de concentração. Com o tratamento adequado, aliado a mudanças significativas no estilo de vida, ele conseguiu controlar os sintomas, melhorando expressivamente sua performance profissional. 

O que essas histórias têm em comum é uma coisa simples: o importante papel do tratamento adequado e do cuidado individualizado. Cada paciente é diferente, cada corpo responde de uma maneira e, há sempre nuances nos sintomas de hipotireoidismo. Portanto, adaptar o tratamento e o estilo de vida aos sintomas específicos de cada paciente é crucial para o gerenciamento eficaz do hipotireoidismo. 

Estas histórias de sucesso são inspiradoras, pois demonstram que, embora o hipotireoidismo possa ser um desafio, com o tratamento e o acompanhamento corretos, é completamente controlável e não precisa limitar sua vida de maneira alguma.

Juliana Lara – Doctoralia.com.br

Benefícios de exercícios físicos no hipotireoidismo

Práticas de Atividades Físicas

Ter um diagnóstico de hipotireoidismo não é uma sentença de sedentarismo. Na realidade, um estilo de vida ativo é extremamente benéfico para o manejo desta condição. Vamos entender por quê. 

Ao contrário do que muitos podem pensar, exercitar regularmente pode auxiliar em diversos aspectos na vida de um paciente com hipotireoidismo. Essa prática saudável não só aumenta a energia e está de acordo com o peso saudável, mas também ajuda a regular os níveis de hormônios, o que é fundamental quando se tem hipotireoidismo. 

1. Melhora a Energia e o Bem-Estar 

Muitos pacientes com hipotireoidismo relutam em se exercitar devido à constante sensação de cansaço e fadiga. No entanto, quando seu corpo se acostuma à atividade, você pode na verdade começar a sentir mais energia. O exercício físico estimula a produção de endorfinas, conhecidas como “hormônios do bem-estar”, que podem elevar o humor e combater sentimentos de depressão que são, por vezes, associados com o hipotireoidismo. 

2. Ajuda na Manutenção do Peso 

Outra questão comum no hipotireoidismo é o ganho de peso, ou dificuldade de emagrecer. Os exercícios físicos aumentam o gasto calórico e auxiliam no controle do peso. Mesmo uma caminhada diária de 30 minutos já pode fazer a diferença. 

3. Regula os Níveis Hormonais 

Uma pesquisa publicada no “Journal of Endocrinology and Metabolism” relatou que exercícios regulares podem ajudar a aumentar os níveis de hormônios da tireoide. No entanto, é essencial desenvolver um regime de exercícios adequado às suas capacidades e necessidades pessoais. Utilizar-se do auxílio de profissionais de educação física é sempre uma ótima ideia. 

No entanto, não é apenas o tipo de exercício que é importante, mas também o ritmo e a consistência. Embora o excesso de exercício possa, na realidade, ser prejudicial, um regime de exercícios bem equilibrado e consistente pode trazer muitos benefícios. Certifique-se de discutir suas metas e limites com seu médico antes de começar qualquer novo regime de exercícios. 

Por fim, lembre-se: cada pessoa é única, e o processo de encontrar o tipo certo de exercício leva tempo. Tenha paciência consigo mesmo e ouça o seu corpo. Se você já está se exercitando e não está vendo os resultados esperados, converse com seu médico ou um educador físico. Eles poderão propor ajustes que ajudarão você a atingir seus objetivos de saúde de maneira mais eficaz.

Dicas para lidar com a fadiga e o cansaço

 Lidar com a fadiga e o cansaço provocados pelo hipotireoidismo pode ser um desafio, mas existem várias estratégias que podemos usar para combater esse problema. Aqui estão algumas dicas que, na minha experiência como endocrinologista e nutróloga, se mostraram mais eficazes: 

  • Durma o suficiente: O hipotireoidismo pode fazer com que você se sinta mais cansado do que o normal. Garantir uma noite de sono adequada pode, por tanto, fazer uma grande diferença na sua energia diária.
  • Allimentação balanceada: Uma dieta equilibrada é fundamental para manter os níveis de energia. Consuma alimentos frescos e nutritivos com abundância de frutas, verduras, proteínas magras e grãos integrais. Evite alimentos processados e ricos em açúcar, que podem causar picos e quedas enérgicas.
  • Hidratação: A desidratação pode agravar a sensação de fadiga. Garanta um consumo regular de líquidos ao longo do dia, escolhendo preferencialmente água ou chás sem açúcar.
  • Exercícios físicos: Por mais contraditório que pareça, a atividade física regular pode ajudar a reduzir a sensação de cansaço. Caminhadas ao ar livre são uma excelente opção especialmente pela exposição à luz solar, que melhora nossos níveis de vitamina D.
  • Gerenciamento de estresse: O estresse pode piorar os sintomas do hipotireoidismo, incluindo a fadiga. Práticas como meditação, yoga ou simplesmente reservar um tempo para relaxar podem ser muito benéficas.

 São pequenas mudanças no estilo de vida que, somadas, podem trazer um impacto significativo na sua qualidade de vida. Lembre-se sempre de que é importante consultar um profissional da saúde antes de fazer qualquer mudança significativa na sua rotina. 

Cuidados adicionais para gestantes com hipotireoidismo

Cuidados das Gestantes com o Hipotireoidismo

Quando se fala em gestação, já sabemos que é um momento em que a mulher precisa de cuidados adicionais e especiais. Mas quando em combinação com o hipotireoidismo, esses cuidados precisam ser ainda mais enfatizados. Afinal, nesse caso, estamos falando não apenas da saúde da mãe, mas também da do bebê. Agora, com qual tipo de cuidado estamos falando aqui? 

Monitoramento dos níveis hormonais 

O primeiro e mais crucial passo é o monitoramento regular dos níveis hormonais. Durante a gestação, as necessidades hormonais aumentam em até 50%. Consequentemente, as doses de medicamentos para tratar o hipotireoidismo também podem precisar ser ajustadas. Portanto, exames de sangue regulares são essenciais para manter os níveis de hormônios tireoidianos equilibrados. 

A importância de uma alimentação saudável 

Além disso, é crucial manter uma alimentação saudável e bem equilibrada. Uma dieta rica em selênio, zinco, proteínas, frutas e vegetais ajudará sua tireoide e você a se manter saudáveis. Contudo, é importante cuidar com alimentos que podem inibir a função tireoidiana, como a soja, e certos vegetais crucíferos (como o repolho e a couve-flor). Recomendo discutir sua dieta com um nutricionista especializado para obter orientações personalizadas. 

O acompanhamento médico 

O acompanhamento médico regular é fundamental para o bem-estar de qualquer gestante, mas para mulheres com hipotireoidismo, ele é ainda mais importante. Ginecologistas e endocrinologistas devem trabalhar em conjunto para garantir o melhor resultado possível para a mãe e o bebê. 

Como médica, percebo que lidar com o hipotireoidismo durante a gestação pode ser desafiador. Mas com os cuidados adequados, é totalmente possível para a mãe e o bebê se manterem saudáveis. Eu acredito que a informação é a chave para isso, e por essa razão, compartilho esses conhecimentos. Lembrando, sempre procure orientação profissional ao lidar com sua saúde e a de seu bebê.

Mitigando os efeitos colaterais dos medicamentos

Lidar com os efeitos colaterais dos medicamentos para hipotireoidismo pode ser uma tarefa desafiadora. No entanto, há várias estratégias que podem ajudar a mitigar esses efeitos indesejados. 

Ajuste de dosagem 

Primeiramente, é importante notar que, muitas vezes, os efeitos colaterais podem ser devidos a uma dosagem inadequada do medicamento. Por isso, se você está experimentando sintomas desconfortáveis, é importante entrar em contato com o seu médico. Eles podem ajustar a sua dosagem para ajudar a minimizar esses efeitos. 

Tempo de ingestão 

Além disso, o momento em que você toma a medicação também pode afetar a forma como o seu corpo reage a ela. Muitos encontrarão benefício em tomar a medicação com o estômago vazio, na parte da manhã, para maximizar a absorção. Também pode ser útil evitar alimentos ou suplementos que podem interferir com a medicação, como soja, produtos de ferro e alguns tipos de fibra. 

Estratégias de alimentação 

Outra estratégia que pode ser útil é comer refeições saudáveis e equilibradas ao longo do dia. Isto pode não só ajudar a promover um melhor equilíbrio hormonal, mas também mitigar alguns dos efeitos colaterais da medicação, tais como o ganho de peso. 

Exercícios físicos 

Certos tipos de exercícios físicos podem ser benéficos para pacientes com hipotireoidismo, desde que feitos sob a orientação de um profissional. Mesmo se você estiver se sentindo fatigado devido ao hipotireoidismo, é importante frisar que exercícios físicos podem, na verdade, ajudar a combater esse cansaço. 

Ajudar na circulação sanguínea e inclusão de atividades físicas na rotina ajuda no sono mais regulado, vital na manutenção da energia diária. Além disso, os exercícios auxiliam na produção de hormônios importantes para a disposição e bem estar mental. 

Aqui vão algumas sugestões de exercicios seguros e que promovem bem-estar: 

  • Caminhada – É um exercício de baixo impacto, mas eficaz, que auxilia na circulação e regula os batimentos cardíacos.
  • Ioga – Essa prática é útil em reduzir a tensão e promover a calma, podendo também ajudar a minimizar os sintomas de depressão que podem acompanhar o hipotireoidismo.
  • Pilates – Aumenta a força do corpo e contribui para melhor flexibilidade e postura, pontos importantes para a manutenção da saúde do paciente
  • Aeróbica de baixo impacto – Essas atividades auxiliam o coração e pulmões, sem colocar estresse indesejado em suas articulações e músculos.
  • Alongamento – Além de diminuir a tensão muscular, o alongamento ajuda a melhorar a circulação sanguínea, um ponto importante para pacientes com hipotireoidismo.

Independentemente do tipo de exercício que você escolher, o ponto mais importante é se exercitar regularmente. E lembre-se: sempre converse com seu médico antes de iniciar qualquer novo regime de exercícios.

Recursos e apoio para pacientes com hipotireoidismo

No âmbito do apoio a pacientes com hipotireoidismo, existem vários recursos disponíveis tanto do governo quanto de entidades civis. Esses recursos visam proporcionar um melhor controle da doença, uma melhor qualidade de vida e, em última análise, auxiliar na total recuperação do indivíduo. 

  • Sistema Único de Saúde (SUS): O SUS oferece acompanhamento gratuito a indivíduos com hipotireoidismo. Isso inclui consultas com endocrinologistas, medicamentos necessários e exames regulares de sangue.
  • Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO): Esta entidade divulga informações confiáveis e atualizadas sobre o hipotireoidismo. Além disso, promove acções educativas e de sensibilização para a população em geral.
  • Grupo de Apoio aos Pacientes com Doenças da Tireoide (GAPDT): Uma entidade civil que tem como missão fornecer apoio emocional e informações a pacientes com doenças tireoidianas, incluindo o hipotireoidismo.

Além desses recursos, há grupos de apoio online e pessoalmente onde os pacientes podem compartilhar suas experiências e obter suporte emocional. Lembrando sempre que, não importa qual recurso ou apoio você busque, o tratamento médico adequado é crucial para o controle adequado do hipotireoidismo. 

“Em minha experiência como endocrinologista, tenho visto como a rede de apoio, seja ela profissional ou pessoal, é vital para o bem-estar de pacientes com hipotireoidismo. A jornada para a recuperação e o controle da doença se torna menos árdua quando compartilhada com outros.”

Portanto, não hesite em procurar ajuda e aproveitar os recursos disponíveis para lidar com o hipotireoidismo. Cada passo que você dá em direção a entender e gerenciar sua condição é um passo que você dá em direção ao seu bem-estar geral e à sua saúde.

Conclusão

Em suma, falamos aqui sobre o hipotireoidismo, uma condição caracterizada pela produção insuficiente de hormônios pela glândula tireoide. Discutimos os diferentes tipos de hipotireoidismo, sendo os mais comuns o hipotireoidismo primário, secundário e subclínico. 

Abordamos também os principais sintomas, incluindo fadiga, aumento de peso, intolerância ao frio e constipação. E, claro, discutimos as possíveis causas, como a doença de Hashimoto, a remoção cirúrgica da tireoide e certos medicamentos. 

Importante, também, são as estratégias de controle do hipotireoidismo. São elas: 

  • Tomar a medicação corretamente, na dose e horário recomendados;
  • Alimentar-se de forma saudável e equilibrada;
  • Fazer atividades físicas regulares;
  • Consultar regularmente o endocrinologista.

Afinal, só porque você tem hipotireoidismo, não significa que não possa viver uma vida normal e saudável. Com o tratamento adequado e o acompanhamento constante, é possível controlar esta condição e seus sintomas. 

“Não é porque um problema vem do interior do corpo que ele precisa ficar escondido lá. Seus sintomas têm voz e a medicina está aqui para ouvir e traduzir, encontrando a melhor forma de tratamento para você.” – Dra. Juliana Lara

Se você estiver sentindo algum dos sintomas mencionados, ou se já tiver um diagnóstico de hipotireoidismo, gostaria de encorajá-lo a procurar atendimento. Como médica endocrinologista e nutróloga atuante na região de Indaiatuba, estou aqui para ajudá-los. Vamos juntos cuidar da sua saúde!

Juliana Lara – Doctoralia.com.br
Dra. Juliana Lara

Dra. Juliana Lara

Médica especialista em Endocrinologia (IEDE) e Nutrologia (ABRAN).

Todos os posts

Está gostando do conteúdo? Compartilhe.

O que procura?

Categorias

Sou médica há 12 anos,
com especializações em Endocrinologia, Nutrologia
e extensão em Fitoterapia.
Busco aliar rigor científico
a um olhar atento às
particularidades de cada
paciente, sempre com a
saúde holística em
primeiro lugar.

Se cadastre na nossa lista para receber conteúdos exclusivos.

Me siga no Instagram!

Conecte-se comigo no Linkedin!

Curta a minha página no Facebook!

Por Quê Sou Vegetariana?

Entenda Meu Apoio à Esta Causa!

Contato

Dra. Juliana Lara – CRM 182390/SP
(11) 91708-1627
contato@drajulianalara.com

Horários

Seg. Fechado
Ter. 14:00 – 17:00
Qua. Fechado
Qui. 14:00 – 17:00
Sex. 14:00 – 17:00
Sáb. e Dom Fechado

Localização

R. Estados Unidos, 317 – Parque Boa Esperanca, Indaiatuba – SP, 13339-230

O que procura?

Categorias

Sou médica há 12 anos,
com especializações em Endocrinologia, Nutrologia
e extensão em Fitoterapia.
Busco aliar rigor científico
a um olhar atento às
particularidades de cada
paciente, sempre com a
saúde holística em
primeiro lugar.

Se cadastre na nossa lista para receber conteúdos exclusivos.

Me siga no Instagram!

Conecte-se comigo no Linkedin!

Curta a minha página no Facebook!

Horários

Seg. Ter. e Qua. 14h às 18h
Qui. 13h30 às 18h30
Sex. 14h às 18h
Sáb. e Dom Fechado

Localização

Alameda Grajaú, 60 – Sala 907
Alphaville, Barueri – SP, 06454-050

Dra. Juliana Lara © 2021. Todos os Direitos Reservados.