fbpx
melatonina e insônia

Atualmente, é vedada no Brasil a prescrição de quaisquer tipos de medicamentos pelos nutricionistas, conforme parecer do CFN (Conselho Federal de Nutrição). Apenas ao médico é atribuída a competência para receitar este tipo de substância. Desta forma, infelizmente o nutricionista não pode prescrever melatonina.

A resolução que rege a prescrição de suplementos nutricionais por parte dos nutricionistas é a Resolução CFN nº 390/2006, que cita em dois parágrafos a questão:

5. É vedado ao nutricionista prescrever produtos que incluam em sua fórmula medicamentos, isolados ou associados a nutrientes;

6. É vedado ao nutricionista a prescrição de suplementos nutricionais ou substâncias que não sejam controladas ou não atendam às exigências para produção e comercialização regulamentadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA);

A melatonina recebeu a liberação para compra e venda no Brasil em 2016, e sua comercialização é permitida como insumo. Desta forma, ela só está disponível como matéria prima para farmácias e laboratórios de manipulação, podendo ter sua apresentação em medicamentos, cremes ou produtos.

Diferente dos Estados Unidos e outros países, a venda de melatonina não está liberada em farmácias comuns. Esta é denominada “melatonina industrializada”, e não possui registro na ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Desta forma, apesar de não ser proibida, não poderá ser encontrada de maneira mais farta até que seu processo de homolagação seja concluído pela ANVISA. Para quem preferir esta versão à manipulada, ela pode ser trazida do exterior ou importada pela internet. Sua venda no exterior normalmente não requer prescrição médica, sendo amplamente disponível em farmácias.

O que é a melatonina?

A melatonina é um hormônio produzido pela epífise neural, que é uma glândula do tamanho de uma ervilha encontrada logo acima do meio do cérebro. Este hormônio ajuda o seu corpo a saber quando é hora de dormir e acordar, regulando e promovendo a melhora da qualidade do sono.

Normalmente, seu corpo produz maior quantidade de melatonina à noite. Os níveis geralmente começam a subir à noite, quando o sol se põe, e posteriormente caem de manhã quando o sol nasce. A quantidade de luz que você recebe a cada dia – além da própria atuação do seu relógio biológico – define a quantidade de melatonina produzida pelo seu corpo.

Caso você esteja apresentando insônia ou dificuldade para dormir, você tem a opção de utilizar suplementos de melatonina. Eles vêm em comprimidos, líquidos e mastigáveis. Eles podem ser encontrados em formas sintéticas (como as que podemos manipular no Brasil ou adquirir em farmácias no exterior) ou naturais (feitas a partir da glândula pineal de animais, e desta forma inviáveis para veganos).

Por quê consumir a melatonina?

As pessoas usam a melatonina quando têm insônia, que é o quadro clínico caracterizado pela dificuldade em adormecer e permanecer dormindo. As pessoas também podem utilizá-la se trabalharem em empregos que interrompam os horários de sono típicos, causando uma condição chamada de distúrbio do sono.

A melatonina também é utilizada para prevenir ou tratar o jet lag. Esse é o sentimento de cansaço causada pela mudança súbita de fuso horário que é vivida por quem viaja para outros países.

Atualmente, os médicos atuam em linhas de pesquisa para verificar se a melatonina pode ajudar em relação às seguintes enfermidades:

  • Doença de Alzheimer
  • Câncer
  • Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
  • Pressão alta durante o sono
  • Problemas do sono em crianças com transtornos do espectro do autismo

É seguro utilizar este medicamento?

De forma geral, é bastante seguro consumir a melatonina. Ela apresenta efeitos colaterais muito menores e frequentes do que outros remédios indutores do sono, mas alguns pacientes eventualmente reportam os seguintes efeitos colaterais:

  • Sonolência diurna
  • Dor de cabeça
  • Tontura
  • Desconforto no estômago
  • Ansiedade
  • Mal humor
  • Depressão de curta duração

A melatonina pode apresentar efeitos colaterais acentuados caso seja consumido concomitantemente à algum dos seguintes tipos de medicamentos:

  • Medicamentos para diluir o sangue (anticoagulantes)
  • Drogas que suprimem o sistema imunológico (imunossupressores)
  • Medicamentos para diabetes
  • Pílulas anticoncepcionais

Você deve sempre informar ao seu médico caso inicie o uso de qualquer medicamento ou suplemento, mesmo que não precise de receita, especialmente se já estiver fazendo uso de alguma outra medicação ou se tiver algum problema de saúde.

Adicionalmente, sugiro sempre a utilização da melatonina em sua forma sintética, já que a forma natural pode conter contaminantes oriundos do animal, como vírus ou bactérias.

A melatonina funciona mesmo?

Todo mundo reage de maneira diferente a medicamentos e suplementos, então a melatonina pode ou não funcionar para você.

Alguns estudos apontam para a eficácia da melatonina, gerando resultados satisfatórios na regulagem do sono e promovendo um descanso melhor. Minha experiência pessoal é que apesar de não atuar satisfatoriamente como indutora do sono, a melatonina permite noites contínuas sem acordar, com consequente sensação de melhor disposição ao amanhecer.

Há também alguns estudos que mostram que não ajuda realmente em resolver problemas de sono, tendo eficácia similar à outros remédios fornecidos como placebo. Não há também evidências significativas que a melatonina ajude nas questões adicionais ao sono, como no tratamento de outros tipos de doença.

Caso você esteja apresentando problemas para dormir e queira buscar um medicamento, a melatonina é uma opção interessante que pode ser avaliada juntamente com seu médico, sendo menos agressiva do que outros tratamentos com fármacos psicotrópicos (benzodiazepinas e barbitúricos).

Para terminar, sugiro assistir à este vídeo, com informações adicionais sobre a melatonina e sua ação sobre o sono

 Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Categorias